Ter diferentes gerações no ambiente de trabalho enriquece o capital humano com valores, personalidades, perspectivas, competências e experiências — o que será fundamental para resolver problemas e promover a inovação.

Contudo, para que a organização funcione em harmonia, precisamos de lideranças que consigam lidar com a diversidade geracional. Quem está à frente da equipe precisa saber como gerenciar os conflitos e engajar a todos nos objetivos comuns.

Logo abaixo, explicamos a importância de lideranças que ultrapassam as barreiras das gerações e conseguem formar um time plural. Confira!!

Conflitos de geração no mundo corporativo

Nem tudo aquilo que satisfaz os desejos e necessidades de uma pessoa será igualmente válido para atender às demais. Chamamos de choques de geração as diferenças relacionadas a faixas etárias distintas.

Há algum tempo, a diversidade geracional é percebida nos números. Em relatório de 2020, por exemplo, o ManpowerGroup indicou que a força de trabalho global está distribuída da seguinte forma:

  • 6% — Baby Boomers  (1944 e 1964);
  • 35% — Geração X (1965 e 1979);
  • 35% — Geração Y (1980 até 1999);
  • 24% — Geração Z (2000 em diante).

Assim, podemos perceber que o núcleo do mercado de trabalho é composto por diferentes gerações, mas principalmente por pessoas que nasceram entre 1965 e 1999 (gerações X e Y).

Além disso, a tendência é que pouco a pouco os boomers deixem a força de trabalho, enquanto a geração Z seja incorporada ao mercado.

Baby Boomers

O termo Boomers é uma referência à explosão demográfica ocorrida após a Segunda Guerra Mundial. Esse grupo conta com, no mínimo, 58 anos de idade, estando bem próximo ou já com idade para a aposentadoria.

Um traço importante daqueles que permanecem no mercado de trabalho é o foco em relacionamento humano e propósito. É o que influencia a permanência quando já existe uma alternativa financeira para deixar o emprego.

Geração X

A geração X colhe os frutos das experiências e desenvolvimento profissional já realizados. Por estarem em estágios maduros de carreira, a tendência é buscar resultados mais imediatos.

Também se caracterizam por serem de uma época de valorização de bens tangíveis, como carros e imóveis, mais que serviços e experiência.

Geração Y

Por sua vez, a geração Y está no meio do caminho entre aqueles que já nasceram no mundo digital e os grupos anteriores. Em geral, estão familiarizados com a inovação e já partem de uma época em que o serviço e a experiência podem ser mais valorizados que os produtos.

Muitos deles estão no momento de buscar o crescimento de carreira, e não em posições consolidadas. Inclusive, o desenvolvimento e capacitação vinculados a oportunidades futuras é bastante atrativo para essa geração.

Geração Z

A geração Z é a mais inserida no mundo digital. As características vistas nos mais jovens da geração Y são acentuadas nesse grupo, como priorizar serviços e experiência de vida.

Igualmente, as oportunidades de capacitação serão importantes. É uma população jovem e recém-formada no ensino médio, faculdade, cursos técnicos etc., que ainda tem muitos degraus a subir na profissão.

Um diferencial é o engajamento, principalmente no meio digital. Não é incomum ver essas pessoas atuando em favor das causas que acreditam, como questões sociais e ambientais.

Desafios da liderança nesse processo

Lidar com grupos plurais exige cuidados especiais da liderança. Não há uma receita para tratar todas as pessoas, mas a necessidade de adotar diferentes estilos conforme o perfil e particularidades de cada um.

Ter uma atuação legitimada perante o grupo

De início, a liderança tem o desafio de ser reconhecida como parte do grupo social. A gestão pode ser exercida por pessoas de diferentes gerações, que encontrarão outros grupos no ambiente de trabalho.

Um exemplo é uma liderança jovem que se depara com profissionais mais experientes. Outro caso é a liderança mais experiente lidando com a entrada das novas gerações. Em resumo, o primeiro desafio é conciliar a própria visão de mundo em relação aos demais.

Promover a colaboração na equipe

As diferenças fazem as pessoas pensarem as questões por pontos de vista particulares. O desafio da liderança é justamente não eliminar essa diversidade cognitiva, mas aproveitar os seus benefícios à empresa. É um processo que segue em duas direções.

Em um primeiro momento, a liderança incentiva a divergência, ajudando os pontos de vista a serem expostos e receberem igual respeito e consideração.

Depois, surge o desafio da convergência. Mesmo os vencidos em suas posições precisam trabalhar para que a estratégia escolhida atinja os resultados desejados.

Gerenciar conflitos

A colaboração, no entanto, nem sempre acontece como planejado, e a liderança precisa lidar com conflitos. Algumas das habilidades que ajudarão no papel de mediador entre gerações são:

  • saber escutar;
  • negociar com eficiência;
  • oferecer tratamento justo;
  • comunicar-se assertivamente.

Desenvolvimento de boas lideranças para as diferentes gerações

O desenvolvimento de lideranças é peça-chave para superar as barreiras geracionais. São as competências comportamentais que ajudam quem está à frente das equipes a lidar com as relações pessoais e conflitos, respeitando as diferenças e sabendo incentivar diferentes pontos de vista no trabalho.

Adaptabilidade

Ser adaptável é um dos diferenciais. As relações humanas não são como contas matemáticas, resolvidas sempre da mesma forma. As lideranças precisam compreender as diferenças, ajustando a abordagem para obter o melhor de cada pessoa.

Escuta ativa, empatia e comunicação

O diálogo é parte fundamental do processo. Algumas das características indispensáveis para lidar com diferentes gerações são:

  • saber escutar e absorver feedbacks;
  • conseguir se comunicar com eficiência;
  • olhar as questões pela perspectiva do outro.

Cultura de confiança

Também será importante estabelecer uma cultura em que as pessoas tenham expectativas legítimas e deem crédito umas às outras.

Nessa cultura de confiança, as pessoas são respeitadas e os bons comportamentos reforçados por lideranças coerentes.

Incentivo à diversidade e inclusão

Por fim, não devemos temer a diversidade no ambiente de trabalho. É tentador para a liderança ter um grupo de pessoas que sempre concordam com suas opiniões e decisões.

Contudo, apenas com diversidade e inclusão, temos um capital humano capaz de lidar com diferentes variáveis e continuamente apresentar novas ideias para resolver os problemas.

Na Weego, as lideranças têm acesso à aprendizagem individualizada, usando da análise de dados e ferramentas modernas de desenvolvimento para superar os desafios atuais de negócios.

Assim, as empresas podem ter o apoio necessário e ferramentas de desenvolvimento para que suas lideranças saibam como lidar com diferentes gerações no trabalho. Com isso, beneficiamos todo o negócio, que passa a contar com diversidade nas equipes para inovar e resolver problemas colaborativamente.

Gostou do artigo? Para ter acesso a outros materiais relevantes para o desenvolvimento de lideranças e gestão de pessoas, continue acompanhando os conteúdos da Weego!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *