As mudanças sociais aceleram a cada dia, e novos conceitos surgem para explicar a realidade em que vivemos. No mundo corporativo não é diferente, e um dos maiores exemplos disso é o ESG.

Ter organizações preocupadas com meio ambiente, sociedade e governança é uma das principais buscas do mercado atual. As lideranças, nesse sentido, serão pilares para transformar a cultura da empresa e inseri-la nessa nova realidade.

Neste conteúdo, abordamos essa relação entre ESG e liderança sustentável, demonstrando porque o assunto deve ser uma prioridade de desenvolvimento. Não deixe de conferir!

O que é ESG?

A sigla ESG se refere a “Environmental, Social and Governance”. O que pode ser traduzido como ambiental, social e governamental.

Na prática, temos um conjunto de critérios que devem nortear as práticas das organizações. Assim, apontam a direção que a gestão e os negócios devem seguir para serem sustentáveis, em diferentes dimensões.

Meio ambiente

O meio ambiente diz respeito ao impacto das organizações em relação aos recursos naturais e futuro do planeta. Portanto, é necessário alinhar práticas com esse pilar, como:

  • consumo consciente;
  • diminuição das emissões de carbono;
  • busca por fornecedores com certificados de sustentabilidade.

Social

O segundo pilar está ligado ao cuidado para com as pessoas, enquanto indivíduos e membros de uma comunidade. São vastas as atitudes dentro desse critério, como:

  • atividades beneficentes;
  • respeito às leis trabalhistas;
  • prevenção da síndrome de burnout;
  • preservação do bem-estar dos colaboradores.

Governança

A governança é como a empresa realiza seus objetivos e vontades, a partir de processos e estruturas adequadas. Entre eles, podemos citar:

  • auditorias;
  • transparência;
  • canais de denúncias;
  • processos decisórios;
  • conformidade com a lei.

Por que as empresas devem estar atentas?

A importância de implementar práticas adequadas aos critérios de ESG está ligada às transformações da sociedade. É um conceito que espelha aquilo que já é visto no ambiente de negócios.

Atualmente, as partes interessadas, como clientes, colaboradores, parceiros, investidores e entidades públicas, enxergam gradativamente mais valor em práticas ambientais, sociais e de governança mais adequadas. Os sinais são claros.

É possível, por exemplo, citar a mudança dos critérios de compra dos clientes. Novos produtos indicam que há transformações no consumo, como:

  • carros elétricos;
  • painéis solares;
  • canudos de papel;
  • cosméticos sem testes em animais.

Outro ponto é que as partes interessadas se tornam criteriosas com quem desejam criar relacionamentos. Exemplos são o surgimento de fundos, índices de mercado e certificações ESG, que diferenciam empresas com práticas adequadas e inadequadas.

O setor público vem se modificando em relação às práticas de ESG. Exemplo recente no âmbito internacional foi o Acordo de Paris, assinado por cerca 175 países, com metas para redução da emissão de gases poluentes.

No Brasil, podemos citar a Lei da Empresa Limpa, que trouxe critérios de governança e compliance para contratar entidades públicas.

Em resumo, o ambiente em que as empresas estão inseridas requer mudanças na cultura organizacional. Como visto, essa tendência é percebida no comportamento de diversos stakeholders (partes interessadas). Logo, a mudança é necessária como parte da adaptação aos novos tempos.

Qual é a relação entre ESG e liderança?

As mudanças na cultura e estratégia da empresa dependem de pessoas, e essas são orientadas, motivadas e engajadas por lideranças. Por isso, o primeiro passo para adotar critérios de ESG é desenvolver quem estará nas posições-chave.

Nesse sentido, a liderança sustentável é indispensável. Trata-se do modelo de liderança que consegue equilibrar a performance e obtenção de resultados com a gestão dos impactos da empresa no ambiente, pessoas e sociedade.

São necessárias diversas competências, que serão utilizadas no processo de promoção das mudanças de estratégia e cultura.

Liderança com humanidade

Como ponto de partida, as lideranças devem ser capazes de se colocarem pelo exemplo, inspirando pessoas, tendo escuta ativa e respeitando colaboradores. É uma das bases para conquistar a cooperação interna.

Foco em resultados sustentáveis

Outra aptidão fundamental é zelar por entregas de valor, tirando a equipe da zona de conforto, tomando decisões acertadas e focando nos resultados. Aqui, os critérios de ESG podem servir de indicativo daquilo que, uma vez sacrificado, é capaz de impedir que as estratégias e cultura se sustentem a longo prazo.

Criação de times de alta performance

Existe o envolvimento na formação de equipes alinhadas com os objetivos da empresa. Quem está à frente do tempo será responsável por expressar os valores da empresa, engajando colaboradores e fazendo pessoas estarem na mesma página.

Construção de relacionamentos

Outra aptidão fundamental é ser capaz de se comunicar e criar laços de confiança. Essas relações são fundamentais para que pessoas estejam dispostas a perseguir o caminho proposto pela empresa e, assim, colaborarem entre si de modo a chegar no destino almejado. E, como toda mudança envolve riscos, serão ainda mais importantes na busca por atividades sustentáveis.

Visão sistêmica

Os quatro pilares apontados cobrem as características de lideranças adequadas para o mundo de hoje. Porém, podemos realçar algumas particularidades na busca por uma gestão mais sustentável, que, embora existam dentro dos pilares, valem a pena ser destacados.

Uma é a visão sistêmica. É preciso entender o papel de cada personagem presente nos ambientes internos e externos da empresa, como:

  • clientes;
  • fornecedores;
  • colaboradores;
  • entidades públicas.

A partir dessa compreensão, podemos buscar a colaboração, considerando o que cada parte pode oferecer para atingir objetivos de ESG. É o caso, por exemplo, de:

  • incentivar mudanças em regulamentações;
  • buscar insumos mais sustentáveis com fornecedores;
  • criar promoções para estimular o consumo consciente;
  • contar com boas práticas dos colaboradores no dia a dia.

Pensamento de longo prazo

Pensar a longo prazo é ponto essencial para enxergar os impactos das atividades. Muitas vezes, as ações de ESG exigirão sacrifícios e mudanças atuais, e os benefícios virão com o passar do tempo.

Da mesma forma, medidas momentaneamente proveitosas podem não se sustentar no futuro.

Capacidade de inovação

Por fim, culturas e estratégias mais adequadas a critérios de ESG exigirão iniciativa, inovação e mudança. Lideranças precisam ser preparadas para conduzir pessoas a produzirem algo diferente, evitando postura conservantista (manter as coisas como estão).

Ademais, as inovações possibilitam superar barreiras e obstáculos em processos, produtos, serviços e afins.

Como desenvolver a liderança sustentável?

O desenvolvimento é o caminho mais indicado para contar com lideranças sustentáveis na empresa. Com ele, identificamos as necessidades de capacitação e preparamos colaboradores, mantendo um aprendizado contínuo de novas competências.

Aqui na Weego, trazemos inúmeros diferenciais para que a sua empresa consiga formar pessoas às posições-chave. Em nosso método, cada liderança tem uma jornada própria de acordo com seus pontos fortes e fracos, desafios e requisitos do meio ambiente de trabalho.

Com isso, as lideranças enxergam em que ponto estão no desenvolvimento de uma gestão sustentável. Posteriormente, os conhecimentos, habilidades e atitudes que se mostraram insuficientes podem ser satisfeitos com soluções de educação, como microlearningaprendizagem ativa.

Um dos pilares do processo é a análise de dados, vindos de múltiplas fontes de informação: autoavaliação, avaliação dos liderados e liderança imediata.

Com múltiplas perspectivas e estatísticas, é possível conhecer pontos fortes e fracos das lideranças, orientando o processo de desenvolvimento de maneira mais adequada às necessidades de cada um.

Obtendo esses diferenciais, você pode identificar lacunas e preparar a liderança da sua empresa, dentro dos critérios de ESG. Logo, a organização terá novas competências para mudar sua cultura e estará mais adaptada às exigências dos ambientes de negócios atuais.

Quer entender como funciona na prática? Conheça as soluções da Weego e desenvolva liderança sustentável na sua organização!

Publicado por Thais Bueno

Head de Aprendizagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *